segunda-feira, 2 de julho de 2018

O país do tempo perdido

Ao que parece o bordão ‘Brasil, País do Futuro’ foi forjado pelo judeu-austríaco Stefan Zweig, que fugiu do nazismo e se radicou na serra fluminense, mais precisamente em Petrópolis-RJ. Em 1941 lançou um livro com este título que acabou convertido em epíteto nacional, segundo o seu biógrafo e recém falecido jornalista Alberto Dines.

Pois quase 80 anos depois esta ideia continua norteando a esperança do brasileiro que sonha com que algo de bom aconteça e nos coloque no caminho da prosperidade. Na teoria temos tudo para que isso ocorra. E na verdade, na teoria, este futuro já deveria ter acontecido e transformado o presente. Temos clima, recursos naturais, recursos humanos e uma série de outros elementos que outras nações não possuem. Mas o futuro próspero ainda não prevalece.

É difícil explicar o que acontece? Seria fácil simplificar e botar toda a culpa no PT como se tem feito agora. Mas releiam lá em cima que o termo País do Futuro já tem quase oitenta anos. Portanto oito décadas teriam sido suficiente para que outras siglas partidárias também tivessem contribuído com esta transformação. Mas a insistência dos governos em tomar decisões erradas nos coloca sempre em posições desfavoráveis. A impressão que fica é que vivemos no país do tempo perdido.

O futuro passa pela educação

No mesmo período de forja da expressão ‘Brasil, País do Futuro’ países como Alemanha e Japão passaram por uma reconstrução após a derrota na Segunda Guerra Mundial. Conseguiram a recuperação num espaço de tempo bem menor, sem precisar dos 80 anos, e fizeram isso com investimentos consideráveis em educação. Já por aqui seguimos correndo atrás do tempo perdido. Confira os exemplos abaixo.

Cortes nos Cedups

Na última semana o Governo de Santa Catarina anunciou o cancelamento de novas matrículas nos Centros de Educação Profissional, os Cedups. Oficialmente a Secretaria de Estadual de Educação informa que o objetivo é garantir o equilíbrio entre a oferta e a procura de vagas. Já o deputado estadual Dirceu Dresch (PT) argumenta que isso tem relação com o decreto 1.608, de 11 de maio deste ano, assinado pelo governador Eduardo Moreira (MDB), que anula R$ 271,2 milhões do orçamento da educação. Recursos que seriam remanejados para o pagamento de dívidas do Estado. 

Cortes nas federais

Em nível federal, levantamento do Site G1, revelou que os repasses do Ministério da Educação (MEC) para as universidades federais chegaram ao menor patamar dos últimos seis anos. Em 2017 foram pouco mais de R$ 6 bilhões para despesas como conta de luz, bolsas para estudantes de baixa renda e manutenção de prédios, chamadas verbas não obrigatórias. Esse valor é um pouco maior do que foi repassado em 2010. Mesmo que não obrigatórias é impossível dizer que elas não interfiram nas atividades educacionais.

Círculo vicioso

Mas é tudo reflexo da crise, alguém pode argumentar. Sim, é claro que é. Mas os cortes que os governos fazem na educação hoje têm reflexos nos gastos futuros com saúde, segurança e etc. É um circulo vicioso que não nos deixa ser o país do futuro e nos segura perdendo tempo, ou não é?

Leia mais...
Três posturas para cobrar de um candidato
Comemoração equivocada
Transporte no ritmo do Século passado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são sempre bem-vindos e importantes para que se preserve uma das características essenciais da ferramenta blog: seu caráter colaborativo. No entanto, é fundamental garantir que esse ambiente mantenha seu propósito e conserve os objetivos de acordo com os quais foi idealizado.
Pensando nisso, adotamos a seguinte política de moderação:

• o envio de comentários não implica automaticamente na sua publicação;
• os comentários devem estar sempre relacionados aos temas tratados nos posts e podem, ou não, ser publicados no blog;
• ao enviar qualquer comentário, o usuário se declara autor legítimo do material, responsabilizando-se e isentando o autor do blog de qualquer reclamação ou demanda e autoriza sua reprodução gratuita e definitiva;
• os comentários não poderão conter manifestação de qualquer forma de preconceito; linguagem grosseira e obscena; agressão, injúria, difamação ou calúnia a pessoas e instituições; propaganda político-partidária ou que faça menção a empresas e marcas.

Categories

A Hora do Voto Acit Ada De Luca Aeroporto Regional Sul Alesc Amurel Arena Multiuso Armazém BR-101 Braço do Norte Brasília Câmara Capivari de Baixo Câmara de Braço do Norte Câmara de Criciúma Câmara de Grão-Pará Câmara de Gravatal Câmara de Imaruí Câmara de Imbituba Câmara de Jaguaruna Câmara de Laguna Câmara de Sangão Câmara de São Martinho Câmara de Tubarão Câmara dos Deputados Capivari de Baixo Carlos Stüpp CDL CDR Charge Debates DEM Deputados Desenvolvimento Diário do Sul Dilma Roussef DNIT Economia Edinho Bez Educação Eleições 1982 Eleições 1986 Eleições 1989 Eleições 1992 Eleições 1996 Eleições 1998 Eleições 2000 Eleições 2002 Eleições 2004 Eleições 2006 Eleições 2008 Eleições 2010 Eleições 2012 Eleições 2014 Facisc Governo Estadual Gravatal Imaruí Imbituba Impostos Indústria e Comércio IPTU Jaguaruna JBGuedes Joares Ponticelli Jorge Boeira José Nei Ascari Justiça Justiça Eleitoral Laguna Leis Meio Ambiente Obras Olávio Falchetti Partidos PCB PCdoB PCO PDS PDT Pedras Grandes PEN Pepê Collaço Pesca Pescaria Brava Pesquisas PHS PL PMDB PMDB Mulher PMN Política Porto de Imbituba PP PPA PPB PPL PPS PR PRB Prefeitos Prefeitura de Capivari de Baixo Prefeitura de Gravatal Prefeitura de Jaguaruna Prefeitura de Laguna Prefeitura de São Martinho Prefeitura de Tubarão Prefeituras Presídio Prona Propaganda partidária PRP PRTB PSB PSC PSD PSDB PSDC PSL PSOL PSPB PSTU PT PTB PTC PTdoB PTN PV Raimundo Colombo Rede Sustentabilidade Reforma Administrativa Reforma Eleitoral Reforma Política Reforma Tributária Reforma Universitária Rhumor Rio Tubarão Rizicultura Salários Saúde SDR de Braço do Norte SDR de Laguna SDR de Tubarão SDRs Segurança Senado Senadores Sociedade STF TCE TJ-SC Trânsito TRE Treze de Maio TSE Tubarão Turismo Unisul Unisul TV Vereadores