quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Cotas e atitudes

A adoção de cotas em nossa sociedade sempre gera polêmica e discussão, mas hoje vou voltar a falar das cotas de candidatas mulheres nas eleições. A reserva de vagas para elas tem sido colocada em prática desde as eleições municipais de 1996, mas dezesseis anos e oito votações depois o resultado ainda tem sido muito fraco.

Temos uma presidente mulher, é verdade, a primeira de nossa historia, mas na Câmara dos Deputados elas são menos de 10% dos 513 membros. No Senado são seis mulheres entre 81 senadores. Nas Assembleias Legislativas Estaduais e Câmaras de Vereadores é quase a mesma coisa e pouco mais de 10% das vagas.

E nestas eleições de 2012 há perspectiva para mudança do cenário? Na Amurel temos apenas 4 candidatas a prefeitas. Em 18 municípios, somente uma exerce o cargo e disputa a reeleição. Entre os candidatos a vereador o número é bem maior, mas os partidos em geral tiveram dificuldades para preencher a cota de 1/3. Isso significa que muitas delas têm pouquíssimas chances reais de se elegerem. Foram escolhidas pelo sexo e não pela viabilidade eleitoral. Tubarão, por exemplo, não tem uma vereadora titular há duas legislaturas, desde quando foi reduzido o número de vagas de 17 para 10. Agora em 2012 como o retorno das 17 cadeiras, existe a expectativa de nova presença feminina.

Escrevo sobre  isso, não para sugerir o voto feminino, mas para promover uma reflexão sobre a situação. Se você lembrar do que escrevi ontem, que foi questionar por que temos tantos candidatos, pode perguntar também por que entre eles há tão poucas mulheres? O que as afasta do processo político? Não seria também o desinteresse por fazer parte de uma classe tão desmoralizada?

Com o tempo isso deve mudar, é inevitável, mas também com mais mulheres e jovens envolvidos no processo esperamos que haja renovação de ideias e no modo de agir. Se não for dessa maneira, de nada adiantam as cotas.

Continue lendo...

Vítimas do próprio veneno

Há três dias das eleições proliferam-se a publicação de enquetes, camufladas em forma de pesquisas, com o objetivo de confundir o eleitor, de colocar este ou aquele em primeiro ou segundo lugar e até fazer com que alguém desista. A cada eleição é a mesma coisa e voltamos a nos perguntar: por que permitem a publicação de tais absurdos? A resposta é simples: os políticos insistem em legislar em causa própria. Os que reclamam hoje, já usaram ou um dia vão usar dos mesmos artifícios para confundir o eleitor. Eles têm o antídoto, mas preferem ser vítimas do próprio veneno.

Continue lendo...

Rhumor do JBGuedes

twitter.com/jbfguedes - guedesjb.blogspot.com

Continue lendo...

Últimas homenagens a Pedrinho Marcon

O vice-prefeito da cidade de Treze de Maio faleceu nesta quarta-feira, 3/10. Pedrinho Marcon tinha 57 anos. Durante todo o dia, familiares e amigos prestaram as últimas homenagens ao político

Continue lendo...

Google+ Followers

Seguidores

Twitter







Recent Visitors